Asas

Isadora Duncan


Do caos da minha alma
invento o pulsar da minha dança

De dentro do corpo
a poesia escorre
e balança as palavras não ditas
que pulam pelos poros
da minha ilusão mal dita.

Me devolve
as asas mal vistas da solidão.

Postagens mais visitadas

Rabo